CIJUN desenvolve APP para notificar tentativa de suicídio em Jundiaí

O Comitê Permanente de monitoramento do Plano Municipal de Prevenção da Automutilação e do Suicídio de Jundiaí, liderado pela Unidade de Gestão da Casa Civil (UGCC), em parceria com a Companhia de Informática de Jundiaí (Cijun), trabalham para o desenvolvimento de um aplicativo para compilação de dados e notificação de ocorrências de tentativas de suicídio. A ação faz parte do Plano Municipal de Prevenção da Automutilação e do Suicídio da cidade e foi apresentada às forças de segurança (Guarda Municipal, Polícia Militar, Polícia Civil, Polícia Rodoviária e Corpo de Bombeiros), nesta terça-feira (23).

O aplicativo será de acesso restrito a integrantes das forças de segurança, que atendem ocorrências dessa natureza, além de gestores municipais. Ele terá compilado diversos dados, como por exemplo o tipo e o local da ocorrência. “Com isso será possível identificar as regiões em que há mais ocorrências para desenvolver ações específicas, além de ter uma base de dados que subsidiará a criação de políticas públicas assertivas que possam reduzir esse problema. O suicídio é uma situação grave e demanda um olhar atento do Poder Público”, comenta o Gestor da Casa Civil, Dr. Gustavo Maryssael.

O aplicativo está em fase final de elaboração e ajustes. A previsão é que seja lançado para o uso no primeiro semestre de 2024. Vale ressaltar que outras ações do Plano já foram executadas, como o lançamento da Cartilha de Prevenção ao Suicídio e o manual de capacitação para os profissionais de imprensa, com orientações de como os casos devem ser tratados pela mídia de forma ética, responsável e tecnicamente embasada, em parceria com a Unidade de Gestão de Inovação e Relação com o Cidadão (UGIRC).

“Essa será mais uma importante ação do Plano Municipal de Prevenção da Automutilação e do Suicídio. O Comitê seguirá com o desenvolvimento de ações paralelas a essa, para montar uma cidade cada vez mais estruturada e com menos ocorrências desse tipo”, afirma o Assessor de Direitos Humanos e Presidente do Comitê, Paulo Fernando de Almeida. (Informações e Foto: PMJ)